08 julho 2008

O tormento das formigas

Retiro o que escrevi no texto anterior. Não é a mudança constante de horário do meu celular que mais me incomoda em Rio Branco, mas sim a onipresença das formigas. Elas são incrivelmente pequenas e estão por toda parte! Dia desses, invadiram um pote cheio de pão de queijo que eu havia deixado em cima da geladeira. Alguém já viu, em outra parte do mundo, formigas que comem pão de queijo?

Tirando o bom gosto das bichinhas, não há nada de mais irritante que formigas invadindo sua comida. E não é só isso. Elas estão no chão do quarto, nas roupas que penduro no varal e outro dia, surpreendi uma subindo em minha perna enquanto eu usava o computador.

Uma vez, quando treinava basquete no colégio, estava preparando-me para arremessar, olhei para o chão e vi uma formiga. Pisei nela sem piedade, ao que minha treinadora, com pena do pobre inseto, passou-me um sermão em defesa do bicho que não havia feito nada de mal. Senti-me culpada - acreditem! -, afinal, a pobre formiga nada havia feito a mim.

Ainda hoje me lembro dessa passagem e tento não matar esses pequenos insetos à toa. No entanto, quando acordo e vou até a pia de minha casa em Rio Branco e deparo-me com um "enxame" dessas formiguinhas nojentas esqueço toda a piedade e massacro todas. Pior que isso, estou ficando desalmada, pois as mato sem que me tenham incomodado, apenas para evitar que o façam.

Um comentário:

Gi Marques disse...

quer uma receita? ATRATEX - formicida. espalhe por onde elas gostam de andar. infalível!