09 agosto 2006

Entrevista frenética

A candidata Heloísa Helena, do Psol, conseguiu sacudir a bancada e quebrar a monotonia do Jornal Nacional, ontem à noite. Com uma entrevista de apenas dez minutos ela conseguiu deixar seu recado e expor parte do programa de governo, coisa que Geraldo Alckmin não conseguiu na segunda-feira.
A culpa não foi do tucano, mas sim dos apresentadores que não fizeram uma única pergunta sobre projetos. A impressão que eles passam é que querem descobrir o caráter dos candidatos, coisa difícil de conseguir em uma vida, que dirá em dez minutos!
Heloísa Helena tem sorte de falar alto e ter bastante fôlego para não se deixar interromper pelo grave de William Bonner. Estou ansiosa para ver a entrevista com Lula amanhã. Como postei ontem, só aí saberemos a verdadeira intenção do JN.
Colocar o presidente no último dia já foi uma bela estratégia (eles falam em “sorteio”, mas há controvérsias). As pessoas têm mais facilidade para se lembrar do que vêem por último.

Um comentário:

Cláudio Osti disse...

A Heloísa Helena cada vez mais parece a Elza Correia. Esbanja uma agressividade ginasial que não cola numa corrida presidencial. vixi, até rimou