11 agosto 2006

Atuação pífia

Como já era de se esperar foi esse o desempenho do presidente Lula na entrevista de ontem no Jornal Nacional, ou melhor, no Palácio da Alvorada. Estava ansiosa para ver como William Bonner e Fátima Bernardes conduziriam a entrevista e não me espantei com nada.
Foi a única, da série de quatro exibidas pelo JN, que não surpreendeu em nenhum momento, ou sacudiu os ânimos, ou acrescentou algo aos eleitores. O presidente continua com seu discurso vazio. Sem dados, sem provas, sem resultados. Desde o dia em que assumiu o governo, Lula não parou de fazer campanha.
Na entrevista de ontem foram abordados apenas dois assuntos: corrupção e segurança pública (para esse, 1 minuto apenas). Para as duas questões o presidente deu a mesma resposta: “A Polícia Federal nunca prendeu tanto quanto prende agora”. É a mesma lógica daquela afirmação imbecil feita por Bonner na entrevista de Cristovam Buarque, de que o número de analfabetos no país continuou o mesmo em 2002 e 2005.
Claro, a população cresce. E a bandidagem aumenta. Portanto, é de se esperar que a polícia prenda mais.
Não posso deixar de destacar os lapsos do presidente, que confundiu “corrupção” com “ética” e soltou um: “tudo aumenta, menos os salários. Quer dizer, a inflação...”
Além das concordâncias esdrúxulas como “as pessoas... vai”.
O peixe morre pela boca.
Não acrescentou nada, apenas reafirmou sua incapacidade intelectual, com uma retórica cansativa, e incompetência para conduzir o governo e representar o povo.

Minha ansiedade agora é para ver o debate na próxima segunda-feira, dia 14, na TV Bandeirantes. Aí sim o circo pode pegar fogo!

Um comentário:

Luana disse...

Também achei insípida a atuação do presidente. O casal jornalista também não puxou o saco, como eu achei que pudessem fazer.
Seria legal se tivesse um choquinho no assento do presidente a cada hora em que ele não se deixasse interromper por uma pergunta.