02 maio 2006

Só ladainha...

O presidente Lula vive dizendo que o aumento de R$ 50 no salário mínimo aumentou o poder de compra do trabalhador. Mas é só aumentar o salário para outras coisas subirem também. Aí vai um exemplo...
O ônibus de transporte Metropolitano, da Garcia, (que faz a ligação de Apucarana-Rolândia/ Rolândia-Londrina) teve um aumento de 13,8%. Quem pagava R$ 1,95 para ir até Rolândia, agora paga R$ 2,20. De Rolândia para Londrina o preço passou de R$1,80 para R$ 2,05.
Em um mês como o de maio, que tem 26 dias úteis, o trabalhador que gastaria pouco mais de R$ 50 em passes de ônibus, vai gastar agora R$57 (considerando que ele vai de Apucarana para Arapongas ou Rolândia).
Antes, o trabalhador gastava 16% do salário em passes de ônibus e agora vai gastar... 16%!!!
Quer dizer, na realidade o aumento no salário é todo consumido e não representa aumento no poder de compra.
Vou à caça de outros exemplos que comprovem esse tese...

2 comentários:

Leonardo disse...

Pois é Cecília...
Mais engraçado é que, só aqui em Londrina, de 2000 pra cá, a passagem foi de R$1,00 pra R$2,00.
100% de aumento!!!
É mole ou quer mais? Quer mais? Então lá vai: as empresas responsáveis pelo transporte em nossa cidade (Grande Londrina e Francovig) alegam que os aumentos ocorrem para "equilibar as finanças internas".
Ahn se eu tivesse um aumento desses pra equilibrar as minhas finanças...

Cecília França disse...

O problema é que essas grandes empresas dão passos maiores que as pernas e, na maioria das vezes, são mal administradas.
Mas pense nos lucros das empresas de ônibus. Elas recebem pelo serviço ou adiantado ou à vista. Ninguém compra passe à prazo ou divide em 5X no cartão. É muito dinheiro.
Como a frota dificilmente é renovada e ninguém garante que os ônibus passem por revisões periódicas, o gasto não supera o lucro, de maneira nenhuma.
A não ser que haja desvio de recursos... aí é outro problema.